AULAS NO COLÉGIO ARTHUR VIEIRA RECOMEÇAM



Ontem (03 de julho) as aulas no Colégio Estadual Arthur Vieira de Oliveira voltaram, após um grande período sem aulas na Rede Estadual de Ensino, devido a greve que houve no Estado que foi deflagrada pelo não cumprimento do acordo assinado pelo governador Jaques Wagner (PT) referente ao aumento dos salários dos professores em 22,22%, fazendo-se cumprir a lei que regulamenta o piso da categoria.
Diante da situação lastimável, os professores que residem na Sede, que eram os que mais resistiam ao retorno das aulas em Anguera, após varias e várias reuniões, decidiram que voltariam a dar aula normal, independente da decisão que o governo tomasse e mesmo com as cosequencias a serem sofridas  sofridas.  


É valido lembrar, que o Colégio Arthur Vieira, passou um tempo menor em greve, comparando-se com o período total, em que os outros colégios do Estado permaneceram e permanecem. O fato se deve, ao posicionamento da diretoria e dos professores da Escola, pois entraram em acordo para fechar a I unidade, para que os alunos não saíssem tão prejudicados com essa situação.
É importante destacar também que quando a greve estava se iniciando em todo o Estado, o Colégio Arthur Vieira não parou, e continuou com suas atividades normais durante mais duas semanas, concluindo assim a I Unidade e as atividades que ficaram pendentes.


A greve parecia não ter fim, principalmente em Anguera. Foi quando antes do recesso junino, aconteceu uma reunião entre os professores e diretoria, e ficou decido que as aulas em Anguera voltariam após o recesso junino. Alguns não acreditavam, mais foi o que realmente aconteceu.
OPINIÃO
Notamos que durante todos os dias em que o Colégio Arthur Vieira permaneceu em greve, alguns alunos estavam sentindo bastante falta da Escola. Pelos corredores da escola, vários comentários eram ouvidos, a respeito da falta de aula, e sobre o tempo em que ficaram em casa, na maior parte do tempo sem fazerem nada.
No recomeço das aulas, ficou uma sensação de que estava se iniciando um Ano Letivo, por ter passado um bom tempo sem aula, que sem duvidas, foi um acontecimento muito cruel, tanto com os professores como para nós alunos, que acabamos sendo prejudicados sem ter culpa.
Os alunos sentem a necessidade de estarem em sala de aula estudando. Alguns concordam com a atitude dos professores, e dizem que os mesmos merecem sim esse aumento. Outros discordam da situação, e dizem que os professores deveriam primeiramente pensar nos alunos.  
Contudo, as aulas voltaram e a consequência dessa greve para nós alunos é estudo redobrado até o final do ano letivo.
TEXTO: Joice Lima

7 comentários:

  1. Otimo que esta suposta greve terminou eu so espero que os alunos nao percam o ano letivo por causa disto e nao sejam prejudicados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OS PROFESSORES PODERIAM TER UM POUCO DE CONSCIÊNCIA , POIS OS ALUNOS NÃO TEM CULPA DO QUE ESTA ACONTECENDO . NÃO CUSTA NADA SER UM POUCO CARIDOSOS .

      Excluir
    2. Nada haver , os professores não tiveram culpa do governador ter descumprido o acordo feito! E os professores não tem missão de trabalhar de graça !

      Excluir
    3. PROFESSORES DO COLÉGIO ARTHUR VIEIRA , ESTÃO DE PARABÉNS POR TER TOMADO ESSA BELA ATITUDE , APESAR DE NÃO ESTAR RECEBENDO NADA EM TROCA !

      Excluir
    4. O GOVERNADOR TA É CEEEEERTO , TEM QUE BOTAR PARA LÁ COM ESSES PROFESSORES MERMO, QUE EU NÃO QUERO AULA NENHUMA . É ISSO MESMO WAGNER , meu piveti !kkkkkkkk

      Excluir
  2. bem, não sei para quer esse tipo de coisa como esse texto , não vejo nele informações nessecariaa a população.
    ass: Aline

    ResponderExcluir
  3. Juliane Carvalho6 de julho de 2012 06:29

    Há consequencias muito maior por tras disso tudo estudo redobrado devia ser a rotina de quem quer ir alem por estudar não se resume em contudo dado em sala de aula vai muito além..

    ResponderExcluir

ATENÇÃO! NÃO SERÃO PERMITIDOS E ACEITOS OS COMENTÁRIOS QUE VIEREM COM OFENSAS E XINGAMENTOS.

AO POSTAR O COMENTÁRIO ESCOLHA A OPÇÃO: Nome/URL e comente usando o seu nome.